orelha

O filósofo e teólogo inglês John Hick é um dos grandes pioneiros da atual reflexão sobre a teologia do pluralismo religioso. Oriundo da tradição presbiteriana da Inglaterra, hoje ligada à Igreja Unida Reformada, autor de uma vasta produção bibliográfica, ainda pouco conhecida no Brasil, John Hick aborda, neste livro, um dos temas mais controvertidos e polêmicos da reflexão teológico-cristã contemporânea: o desafio do pluralismo religioso. É uma questão que tem provocado acirrados debates, dividido opiniões, e acionado a pena repressiva de algumas tradições cristãs, como a católico-romana, com notificações curiais recorrentes contra obras de teólogos que se aventuram a trabalhar tal questão.

A metáfora do arco-íris utilizada por Hick no título é de fundamental importância, pois tem um significado bíblico bem preciso: traduz a aliança cósmica feita por Deus com todos os povos da Terra. Mas neste livro quer simbolizar a luz do Espírito que, ao ser refletida na atmosfera terrestre, gera um admirável e glorioso espectro de cores: as diferentes formas religiosas que traduzem, cada uma a seu modo, a luz de Deus, do Divino, do Último ou Real. Na perspectiva pluralista defendida por Hick, nenhuma religião particular pode pretender acumular para si com exclusividade toda a riqueza da luz do Mistério Real.

O autor defende a acolhida do pluralismo religioso como valor inquestionável e o reconhecimento da diversidade das religiões como modos distintos, legítimos e irrevogáveis de conceber, experimentar e responder à Realidade Última. A hipótese pluralista do autor suscita o trabalho de reinterpretação de dogmas cristãos tradicionais que acabaram reforçando uma problemática superioridade religiosa do cristianismo. John Hick busca, neste livro, responder às críticas à sua hipótese pluralista, e o faz recorrendo a um diálogo com duas personagens por ele criadas: Fil e Graça, que apresentam respectivamente as críticas filosóficas e teológicas ao pluralismo religioso defendido por João, que é o próprio John Hick. Trata-se de uma obra exemplar para introduzir o leitor no mundo da teologia cristã ante o pluralismo religioso.

Faustino Teixeira